MENU

HUMOR: que força de caráter é essa?

9 de agosto de 2021 Comments (0) Views: 10 Sem categoria

Vamos falar sobre o perdão?

Compartilhe...
Share on FacebookShare on LinkedInEmail this to someone

Saudações positivas!

Na última PositiveClass falei sobre o poder e a ciência do perdão. Essa aula foi tão incrível e impactante para as pessoas, que quis trazer esse conteúdo aqui pra você, detalhado, de forma que você possa ler sempre que quiser.

Você já ouviu falar da Lei de Talião?

Talvez nunca com esse nome, mas com certeza isso aqui você já ouviu:

“Olho por olho, dente por dente”

Na Antiguidade existia a Lei de Talião, onde cada mal cometido a alguém deveria ser punido exatamente com o mesmo mal.

Muitas pessoas concordam com a lei de Talião. Outras pensam exatamente o oposto disso…

Você acha que o perdão é necessário para a boa convivência em sociedade?

Mahatma Gandhi, que viveu de 1869 a 1948 na Índia, foi um grande ativista da paz e da ação não violenta, e modificou essa frase para:

“Olho por olho e o mundo acabará cego”

Do ponto de vista psicológico e até mesmo biológico, podemos dizer que existem dois instintos opostos dentro de nós: o Instinto da Vingança e o Instinto do Perdão. Sim, o desejo de vingança surge de uma resposta natural do ser humano e até de animais, que é a reação de luta e fuga. Diante de uma agressão, ou fugimos ou lutamos contra o agressor. E depois da agressão, passamos a evitar o agressor ou então buscamos retaliação.

Aliás, a palavra retaliação lembra a citada Lei de Talião. ReTALIAção.

Sonja Lyubomirsky, uma conceituada e premiada pesquisadora na Psicologia Positiva, diz que é fundamental para a sociedade sair do ciclo de evitação e vingança. A vingança causou todo tipo de violência, homicídios, guerras, terrorismo e genocídios. A evitação leva a todo tipo de transtornos psicológicos, como ansiedade, depressão, pânico, stress pós-traumático e etc. E o perdão pode ser o único meio de romper com o ciclo destrutivo.

Os benefícios do Perdoar

Centenas de pesquisas científicas têm comprovado benefícios do perdão para a saúde mental e até mesmo física. Vejam alguns.

Quem perdoa, tem:

✓ Menos emoções negativas, como ansiedade, depressão e raiva.

✓ Menos stress.

✓ Menos sintomas físicos associados ao stress.

✓ Melhora imediata nos sistemas cardiovascular, muscular e nervoso.

✓ Menos problemas de saúde.

✓ Maior satisfação com a vida, bem-estar e mais emoções positivas.

É importante perceber uma coisa: o maior beneficiário do perdão é você mesmo! Às vezes pensamos: “não vou perdoar fulano porque ele não merece ser perdoado pelo que fez”.

Ok, pode até ser que ele não mereça ser perdoado, mas você certamente merece não sofrer mais por causa disso. E merece também se livrar definitivamente das emoções negativas de mágoa, raiva e ressentimento.

Não é sobre o outro, é sobre você, sobre o seu cliente e sobre todos que sofrem por não perdoarem.

Neurociência do Perdão

Uma descoberta importante da Neurociência é que existem dois tipos de perdão: o cognitivo e o emocional.

Cognitivo: ativa as áreas corticais do cérebro, responsável pelas funções mais racionais.

Emocional: ativa regiões do sistema límbico, responsável pelas nossas emoções.

Trocando em miúdos, podemos dizer que o perdão tem duas fases: na primeira, decidimos perdoar e podemos até dizer: “Eu te perdôo”. Nessa fase eu posso realmente estar sendo sincero na minha intenção, mas o perdão não estará ainda completo.

Na segunda fase, o perdão estará realizado quando eu deixar de sentir emoções negativas, como a raiva e a mágoa ao me lembrar da agressão.

Alguns psicólogos e pensadores ainda acreditam que, para o perdão ser completo, as emoções negativas devem ser gradualmente substituídas por emoções positivas e comportamentos prossociais, como empatia, compaixão, bondade e, quem sabe, até amor!

Perdoar é um processo.

Gente, o perdão não acontece em um único instante. A decisão (perdão cognitivo) pode ocorrer em um momento, mas o perdão é resultado de um processo que costuma levar bastante tempo. Talvez seja por isso que a Bíblia conta que Jesus, ao ser questionado por Pedro se sete vezes seria suficiente para perdoar um irmão que peca, Jesus teria recomendado não apenas sete vezes, mas setenta vezes sete (que, fazendo as contas, dá 490 vezes)!

Perdão é uma Força de Caráter

Na Classificação VIA de Forças de Caráter e Virtudes, o perdão é uma das 24 forças e está relacionada à virtude da Temperança, que engloba as forças que nos protegem contra excessos.

MAS COMO PERDOAR?

Vou compartilhar aqui algumas práticas que eu gosto bastante, como mantras, afirmações positivas, meditações e intervenções com a força de caráter Perdão.

Mantras, afirmações positivas e meditação

Quem me conhece, sabe que eu amo simplicidade, por isso quero compartilhar o mantra mais curto que eu conheço sobre o perdão.

Eu te perdôo. Por favor, me perdoe.

Esse mantra é curioso porque você perdoa alguém que te magoou e, ao mesmo tempo, pede perdão a ele. Parece controverso, mas talvez possa haver reciprocidade no perdão, assim como existe no amor. Que tal recitá-lo 10 vezes por dia, com sentimento e de forma não mecânica? Em 7 semanas você terá praticado 490 vezes (70 x 7)!

Outro mantra bastante conhecido é o Ho’oponopono, que vem da tradição havaiana Kahuna. Consiste, basicamente, em 4 frases positivas para serem recitadas diariamente.

Sinto muito.
Por favor, me perdoe. Te amo.
Sou grato.

Além disso, existem excelentes meditações para o perdão, como por exemplo a Forgiveness Meditation, ensinada pelo psicólogo e professor de meditação Jack Kornfield.

INTERVENÇÃO POSITIVA: CARTA DO PERDÃO

Se você prefere escrever ao invés de falar, talvez prefira a intervenção abaixo:

Pense em alguém que te magoou ou te prejudicou. Imagine-se capaz de se colocar no lugar do ofensor, procure ter empatia e compreender seus motivos. Procure vê-lo como um ser humano que erra, assim como todos nós, pois ninguém é perfeito. Agora imagine-se perdoando-o.

Escreva uma carta concedendo o perdão a essa pessoa. Diga como se sentiu, o que gostaria que a pessoa tivesse feito, tente compreender seus motivos, seja empático, compassivo e perdoe. Encerre com uma declaração de compreensão e perdão.

Não é necessário enviar a carta. Ela serve apenas como uma ferramenta para você decidir, se comprometer e iniciar o processo de perdão. O importante é você perdoar internamente.

E aí? Gostou?

Quem você gostaria de perdoar? Quem seu cliente precisa perdoar? Utilize esse conteúdo para se ajudar e para ajudar seu cliente a superar situações que possam o estar impedindo de evoluir e progredir.

Um grande abraço e muiittoo floww! 🌻

Helder Kamei
CSI – Character Strengths Interventor
Presidente de APPAL e Instituto Flow

O post Vamos falar sobre o perdão? apareceu primeiro em Instituto Flow.

http://www.flowpsicologiapositiva.com/wordpress/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *